Medir impacto social é caminho para eficácia, dizem empresas.

A experiência de grandes empresas na medição de impacto de seus projetos de responsabilidade socioambiental pode servir de inspiração e modelo para o poder público e para o terceiro setor e o ecossistema de negócios de impacto social. Esta foi uma das conclusões do debate “Medição do Impacto Social: Casos e Experiências de Empresas“, promovido pelo Insper Metricis e Natura, que reuniu ainda a Coca-Cola e o Itaú Social.

“Buscamos a democratização da avaliação de impacto e por isso estamos unindo esforços com iniciativas como a Força Tarefa de Finanças Sociais”, afirmou Sergio Lazzarini, coordenador do Insper Metricis, que lançou um Guia de Avaliação de Impacto Socioambiental.

Medir resultados de projetos e ações pode ser, de fato, uma ferramenta poderosa para orientar gestores à frente de políticas públicas. A avaliação de impacto vem sendo também, cada vez mais, uma exigência de investidores na hora de financiar projetos e negócios sociais. Ângela Dannemann, do Itaú Social, que desenvolve tecnologias para a melhoria da educação pública brasileira, disse que “para empresas e fundações, comunicar quando a coisa não funciona é difícil, mas temos de aprender com a avaliação, corrigir os erros e melhorar”. Ela destacou a importância de mostrar resultados e impacto de projetos de responsabilidade social, de forma a medir retorno do investimento para a sociedade.

Fonte: Eliane Trindade/ Folha de São Paulo / Escola Aberta – Terceiro Setor